A NOVA ENERGIA MASCULINA

 

Arnaldo Celso do Carmo
Abril - 2007


Às vezes me pego observando meus companheiros homens neste caminho de auto-conhecimento. E pensando: o que será que acontece com os portadores da energia masculina quando submetem essa energia a um dedicado treinamento de auto-aperfeiçoamento? Como ela se transforma quando colocada sob a influência de exercícios diários de presença ou de perdão?

O que acontece com esses homens quando participam ativamente de Temaskais, dietas, vision quests; quando aprendem a cuidar respeitosamente do fogo e dos demais elementos e passam a usar o tabaco de maneira ritual?

Depois de algum tempo espreitando, consegui reconhecer algumas características comuns à maioria deles. Achei interessante compartilhar com vocês um pouco dessas observações, já que se fala muito do feminino mas
quase nada do aspecto masculino que existe em todos nós.

Notei que os meus amigos têm, como regra, uma presença tranquila e discreta. Nunca se arvoram em donos da verdade – como costumavam fazer os seus predecessores no velho modelo, que se sentiam obrigados a ter respostas para tudo e não podiam demonstrar vacilações – mas sabem esperar o momento certo de dizer o que pensam.

Defendem os seus pontos de vista com firmeza, mas sem brigas nem obsessões, porque desenvolveram uma flexibilidade suficiente para conviver
com a diversidade de idéias sem se sentirem intimidados por isso.

Não têm problemas em se deixar convencer por outros pontos de vista porque já não acham que mudar de opinião signifique uma ameaça à sua masculinidade.


Sempre me passam a sensação de que são pessoas com quem podemos contar. Sentimo-nos seguros ao seu lado e sabemos que, num momento difícil, estarão conosco, ouvindo-nos e ajudando-nos a detectar e resolver qualquer problema.

Ao contrário do que acontecia com a masculinidade antiga, que achava “natural” impor sua autoridade pela força do medo, meus companheiros impõem-se pela segurança que transmitem, pela humildade que demonstram e pelo apoio constante que oferecem. São amigos leais.

Exibem uma grande sensatez, mas me agrada muito o jeito como costumam correr riscos de forma madura, resultado da confiança que aprenderam
a desenvolver em si mesmos e na força do Espírito.

Estar ao seu lado nos mantém num agradável estado de alerta porque sempre pode significar ser arrastado para alguma aventura imprevisível,
já que parecem ter um gosto especial por nos surpreender.

Conseguem equilibrar sua tranquilidade e firmeza com um incansável espírito juvenil que parece ver tudo como se fosse a primeira vez; cada encontro, cada cerimônia, eles participam com a curiosidade de meninos e a sensatez dos sábios.

Mesclam movimento e quietude, brincadeiras e foco.

E, por essa ousadia, muitas vezes apresentam opiniões frescas e surpreendentes
sobre as questões mais antigas e previsíveis.

Não são, nem procuram parecer, perfeitos. Convivem bem com os seus deslizes porque sabem que a função dos erros não é gerar punição mas correção.

Como aprenderam que a perfeição é só mais uma meta tola do ego, meus bons amigos dedicam-se a ser impecáveis, a fazer o melhor em qualquer situação.

Coisa de guerreiros!


São cuidadosos e realistas nas suas expectativas e, porisso, sabem manter a serenidade diante dos inevitáveis imprevistos da vida comum.

Uma das suas características que mais me agradam é que raramente reclamam. Poucas vezes vejo-os sentindo-se vítimas de algo ou alguém porque desenvolveram um forte senso de responsabilidade e tomam cada dificuldade não como um problema, como se fazia antigamente, mas como um desafio, uma nova oportunidade de aprendizado.

Divertem-se com aquilo que os outros se aborrecem. É encantador!!

Estão, de uma forma geral, num estado de ânimo leve e bem-humorado; raramente os vemos tristes e dificilmente têm explosões emocionais.

Embora líderes naturais, são presenças silenciosas que interferem pouco nos acontecimentos - quando sentem necessidade apenas - o que demonstra sua capacidade de diferenciar o essencial do supérfluo e, principalmente, as causas das consequências.

Já os vi cuidando de outros menos capazes ou dos que passam por dificuldades. Fazem questão de não invadir a sua privacidade nem impedir que enfrentem os seus desafios e desenvolvam a sua própria força. Nessas horas são como mestres, que nos ajudam sem inibir o nosso crescimento.

Quando com eles, às vezes nos sentimos envergonhados porque são tão descomplicados que fazem tudo parecer fácil e natural.
Conseguem ser assim sem nunca nos fazer sentir inferiores.

Nos relacionamentos a dois, estão mais ligados em amar e menos na performance sexual, o que faz deles amantes apaixonados e carinhosos.


Mas talvez o que mais me atrai nesses meus amigos queridos, é que eles dão a impressão de que estão sempre disponíveis. Jamais nos rejeitam nem deixam de atender qualquer solicitação que façamos. Têm sempre um abraço pronto para ser oferecido com alegria, uma palavra carinhosa, um sorriso tranquilo. Quem vê não diz que vivem os mesmos problemas da vida comum como todos nós.

Com o tempo, percebi que, quanto mais polida é a energia masculina, mais ela se aproxima da energia feminina de boa qualidade e que os homens e mulheres que trabalham sobre si mesmos compartilham muitos atributos porque possuem esses dois aspectos bem equilibrados dentro de si.

Para os que estão pensando que estou idealizando alguém impossível de existir preciso dizer que escrevi este artigo sem me inspirar em ninguém especificamente mas num conjunto de amigos que, juntos, me dão um vislumbre do que poderá vir a ser a energia masculina de um futuro talvez não muito distante.

Minhas observações me levaram a constatar que o Trabalho do ISH tem avançado na direção correta e contribuído para o desenvolvimento de seres humanos mais íntegros e felizes. Agora é manter o rumo...

Um beijo. Arnaldo